Smart science to improve lives™

Soluções sem microplástico chegaram para ficar

As soluções sem microplástico são apenas mais uma tendência na indústria de tratamento de sementes? Podemos igualar o desempenho dos tratamentos convencionais com sementes contendo microplásticos? Ou as novas formulações precisarão comprometer alguns dos aspectos da qualidade do produto? Os microplásticos na indústria de sementes se tornaram um tema muito debatido há dois anos. Em 2018, a Agência Européia de Produtos Químicos (ECHA) publicou seu primeiro esboço da proposta de restrição em que o tratamento de sementes figurava como uma das indústrias que contribui para adicionar intencionalmente microplásticos em misturas usadas por agricultores ou profissionais.  Atualmente, a maioria das pessoas da indústria está ciente da proposta de restrição e das consequências potenciais que ela pode trazer para a indústria de sementes. Embora muitas empresas do setor de tratamento de sementes tenham iniciado o trabalho de desenvolvimento para encontrar boas alternativas, algumas delas comprovadamente não funcionam tão bem quanto as soluções existentes, comprometendo a qualidade e portanto, a segurança das sementes tratadas para os agricultores, o meio ambiente e os trabalhadores da indústria.
Sunflower field

Publicado

  • Marta Dobrowolska
Carrot seedlings

Soluções sustentaváis

Fazemos tudo ao nosso alcance para melhorar a capacidade de adaptação e o desempenho das sementes e o fazemos da maneira mais sustentável possível.

As formulações livres de microplásticos são confiáveis o suficiente?

Na última década, o tratamento de sementes evoluiu grandemente de uma formulação simples que consistia de cor e um binder simples para formulações mais avançadas que se concentram no manuseio de segurança e retenção de materiais nas sementes. A quantidade de produtos fitossanitários aplicados às sementes se tornou cada vez mais desafiadora, trazendo soluções de tratamento de sementes à um alto desempenho. Para garantir que a planta em crescimento tenha o melhor começo de vida, formuladores químicos e especialistas em polímeros foram encarregados de projetar líquidos de recobrimento de proteção (produto que une tratamentos complexos em sementes) que são muito mais robustos e ao mesmo tempo, compatíveis para as sementes germinadas.

Algumas das melhorias trazidas pelo tratamento de sementes incluem melhor controle no desprendimento de pó, fluidez, resistência à abrasão, cosmética, rendimento, prazo de validade e germinação. Sem esquecer a diminuição da quantidade do produto fitossanitário que precisa ser aplicada em comparação com a aplicação tradicional em pulverização. Nada disso seria possível sem uma seleção cuidadosa do polímero certo a partir de uma ampla gama de polímeros químicos disponíveis. Então, as questões realmente são: as novas formulações livres de microplásticos podem enfrentar esses desafios, bem como seus antecessores? Podemos esperar que uma formulação livre de microplásticos que eventualmente se degrada no ambiente ainda seja robusta o suficiente para proteger a semente, o agricultor, o meio ambiente e os trabalhadores da indústria?

O que é um microplástico?

Primeiramente, devemos começar com a definição de microplásticos de acordo com a ECHA. No momento, um microplástico é definido como um polímero contendo partículas sólidas ou semi-sólidas de tamanho 5 mm ou menos em pelo menos uma dimensão externa. A primeira definição de trabalho não faz distinção entre polímeros sintéticos, naturais, modificados naturais ou entre polímeros solúveis em água e polímeros insolúveis em água. Entretanto, estes elementos foram reconhecidos como importantes para a avaliação de risco e as informações sobre estes aspectos foram acrescentadas à proposta final de restrição. 
Em seguida, a definição atual de microplásticos foi baseada no termo "polímero" e muitos podem argumentar que nem todos os polímeros são plásticos, mas todos os plásticos são polímeros, portanto, todos os microplásticos são polímeros. Uma razão para isso foi que o termo "polímero" é definido sob REACH (Registration Evaluation Authorisation and Restriction of Chemicals) enquanto os plásticos não o são. A ECHA reconhece que os polímeros que ocorrem na natureza na forma de partículas sólidas ou semi-sólidas, como a celulose ou o amido, podem ser inerentemente biodegradáveis e portanto, não devem ser considerados microplásticos. No entanto, estudos adicionais sobre a liberação para o meio ambiente e a biodegradabilidade podem ser necessários para a isenção. Além disso, os polímeros que são solúveis em água também permanecerão solúveis após a liberação no meio ambiente, portanto dificilmente contribuirão para a preocupação com os microplásticos. Ainda assim, há necessidade do valor limite apropriado para demonstrar solubilidade, que está em discussão agora e muito provavelmente será adicionado à restrição final.

Exigências para revestimento de sementes

O microplástico estará presente no ambiente por um longo tempo após sua liberação inicial e consequentemente se acumulará e será um risco potencial à saúde. Eles são resistentes à degradação ambiental normal, que é a maior preocupação em avançar e a base para a restrição. Alternativas que garantirão que isso não aconteça precisam ser procuradas. Como mencionado anteriormente, as soluções atuais no tratamento de sementes podem conter polímeros sólidos não degradáveis como poliestireno ou copolímeros de poliacrilato que são dispersíveis em água, mas não solúveis. Eles foram projetados como formadores de filme que garantem uma boa adesão de todos os componentes sobre as sementes que também precisam permitir o movimento ideal de água no revestimento da semente. Eles devem ser sem risco para a semente, assim como para a planta em crescimento. Este delicado equilíbrio precisa ser traduzido nas novas soluções e como elas precisam ser muito mais biodegradáveis ou solúveis do que as atuais, devemos assegurar que isto não criará problemas de estabilidade para formulações, sementes revestidas ou facilidade de aplicação. Encontrar a melhor solução será um desafio, mas não impossível.

Oportunidade para uma sustentabilidade maior

Por todas essas razões, a busca pelo tratamento de sementes sem microplástico se apresenta com grandes desafios, mas também com grandes oportunidades para uma sustentabilidade ainda maior. O Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas estabeleceu metas de desenvolvimento sustentável e ao avançarmos em direção a soluções sem microplásticos para o tratamento de sementes, certamente poderemos contribuir para a meta 14: o gerenciamento sustentável e a proteção dos ecossistemas marinhos e costeiros - Vida abaixo da água. A ausência de microplásticos não é apenas uma tendência, ela está aqui para ficar e podemos ter certeza de que veremos a indústria de sementes se mover na direção de revestimentos de sementes sem microplásticos, peletes e tecnologias de incrustação. As restrições regulamentares podem ser o catalisador para a mudança, mas agora, mais do que nunca, devemos ter certeza de que tomaremos as decisões certas para o futuro de nosso planeta.

Novos produtos sem microplásticos

A Incotec preparou uma série de novos produtos para sementes de girassol, milho e hortaliças livres de microplásticos. Estes novos e inovadores produtos abordam todos os aspectos mais importantes do tratamento de sementes convencional, assegurando que todas as características do tratamento de sementes evoluído não tenham sido perdidas. A Incotec está empenhada em assegurar que seu portfólio completo de produtos seja livre de microplásticos e sustentável ao máximo, que é a direção de nossa estratégia de sustentabilidade, a Missão Zero.

 
 
 
 
 

Film coat livre de microplásticos para sementes de milho

 
Volte para